Log in

 

 

Síndrome do Pôr do Sol: caracterização e estratégia

  • blogue
  • Visualizações: 22683

A síndrome do pôr do sol é comum entre as diferentes formas de demência, e carateriza-se por um acréscimo de agitação, confusão e perda de memória. O nome surge porque as alterações acontecem a partir do final da tarde ou do início da noite.

Esta síndrome afeta cerca de 20% das pessoas com Alzheimer e também pode atingir pessoas mais velhas que não têm demência.

A ciência não sabe exactamente por que razão acontece nessa altura do dia, mas alguns cientistas atribuem a causa a uma alteração nos ciclos de sono e de vigília do ritmo circadiano.

O ritmo circadiano é influenciado pela mudança do dia para a noite, variação de luz ao longo do dia e do ano, temperatura ambiente, marés, …. Trata-se de um relógio biológico que regula o funcionamento do organismo, como a variação de temperatura corporal, pressão arterial, secreção hormonal, sono, frequência cardíaca, etc...

À medida que o Outono chega e os dias se tornam gradualmente mais curtos, a síndrome do pôr do sol pode ser um factor perturbador e de sobrecarga. O cuidador deve, dentro de um processo contínuo, experimentar tácticas para minimizar os sintomas e observar as que funcionam e as que não funcionam. A família cuidadora deve pedir a profissionais da área médica que despistem a possibilidade de a causa da agitação não ser a síndrome, mas sim a presença de dor, infecção do trato urinário ou deficiência de vitaminas.

O intervalo de tempo entre o pôr do sol e o crepúsculo pode ser particularmente perturbador para as pessoas com Alzheimer e os sintomas podem incluir:

·       Agitação

·       Ansiedade

·       Confusão

·       Desorientação

·       Alucinações

·       Deambulação errática

·       Irritabilidade

·       Paranoia

·       Inquietação

O agravamento dos sintomas comportamentais a partir do final da tarde é um indício, e a diminuição da luz parece ser o percursor da síndrome do pôr do sol. Os sintomas pioram à medida que a noite avança, e podem só desaparecer ao amanhecer.

Sugestões para o cuidador gerir os sintomas provocados pela síndrome do pôr do sol:

1)    Seguir o cronograma das actividades diárias.

Uma pessoa com a doença de Alzheimer - ou com outra forma de demência - pode ter reacções comportamentais em lugares desconhecidos ou perante pessoas estranhas. Manter uma rotina nas actividades de vida diária evita o stress e diminui as alterações de comportamento. Não se devem fazer alterações nas rotinas diárias, mas se isso não for possível, o cuidador deve mudar as coisas gradualmente. As rotinas aumentam a sensação de segurança. Defina horários para acordar, comer e deitar. Agende eventuais compromissos, passeios, visitas e a hora do banho para o início do dia.

2)    Ajustar o horário e a forma das refeições.

Devem ser evitadas refeições pesadas, bebidas alcoólicas e bebidas com cafeína ao final da tarde e início da noite. A principal refeição da noite deve ser servida o mais cedo possível, e só com a noite mais adiantada é que pode ser propiciado um lanche aligeirado.

3)    Possibilidade de administrar um medicamento.

Administre ao familiar doente um medicamento prescrito. Alguns médicos recomendam um suplemento natural como a melatonina (hormona do sono) para estimular o sono. O cuidador nunca deve dar a um familiar com demência um fármaco ou um suplemento sem antes consultar o médico.

4)    Estimular a actividade.

Mantenha o familiar activo durante o dia - com caminhadas ou trabalhos de jardinagem - para melhorar a qualidade do sono à noite, e reduzir os sintomas da síndrome do pôr do sol.

5)    Procurar detectar os factores causais.

Não há duas pessoas exactamente iguais, e o que provoca alterações de comportamento a uma pessoa com Alzheimer pode não incomodar outra na mesma circunstância. Procure identificar os factores que contribuem para a agitação, a confusão e outros sintomas da síndrome. Procure padrões nas alterações de comportamento e tente descobrir pistas sobre situações causadoras. Escreva num caderno as actividades ou rotinas e esteja especialmente atento ao que acontece antes do período do pôr do sol. Registe os possíveis factores causais e partilhe essa informação com os outros cuidadores da família.

6)    Diminuir factores de stress.

Ao final do dia, evite que o seu familiar realize tarefas que excedam a sua capacidade. Pretende-se evitar sentimentos de frustração que possam amplificar os sintomas da síndrome. Tenha em mente que mesmo tarefas como ler ou ver televisão, podem ser muito difíceis para uma pessoa com demência em fase avançada.

Mantenha o ambiente o mais calmo e silencioso possível. Reduza o ruído ambiente, desligue a TV, diminua o volume da música e não tenha visitas. Evite também nessa altura do dia actividades cansativas ou que provoquem alguma perturbação como por exemplo tomar banho. Ponha música relaxante com volume baixo ou utilize a aromaterapia com odores que agradem ao familiar para perfumar levemente a casa.

Caso existam mais familiares em casa coloque as crianças numa divisão e peça às pessoas para se manterem calmas. Evite fazer tarefas que provoquem ruído como por exemplo aspirar o chão.

7)   Usar luzes fluorescentes de espectro total.

Um estudo recente descobriu que a terapia com luz pode diminuir a agitação em pessoas com demência. A Healthline recomenda a utilização de iluminação fluorescente de espectro total e a Alzheimer’s Association sugere a utilização de iluminação quando uma pessoa com Alzheimer se sente agitada ou confusa.

Diminua ao mínimo a existência de sombras e transmita segurança. À medida que a luz do dia desaparece a existência de sombras podem provocar medo e ansiedade. Para aumentar a sensação de segurança, feche as cortinas e evite sombras ou cantos escuros.

8)   Certificar que as necessidades básicas estão satisfeitas.

Verifique se a temperatura ambiente é confortável e se as necessidades básicas como a hidratação, a alimentação, e a higiene estão asseguradas antes da hora em que geralmente os sintomas começam.

O cansaço ao final do dia, a existência de dor ou de desconforto, a higiene por fazer, a necessidade de ir à casa de banho, a sensação de fome ou de sede, o frio, o calor e a insónia são factores de alteração comportamental.

9)   Ter consciência do seu nível de stress.

Tenha consciência do seu nível de stress. Ao final do dia o cuidador pode estar frustrado e exausto e o seu familiar pode pressentir isso. A pessoa com demência é muitas vezes sensível à linguagem corporal e ao tom de voz. Para o cuidador reduzir o seu próprio stress deve fazer pequenas pausas durante o dia, receber ajuda regular e utilizar técnicas de relaxamento.


 


 

Fontes:

https://dailycaring.com/7-ways-to-reduce-dementia-sundowning-symptoms/

https://www.alzheimers.net/how-seasonal-sundowning-can-affect-alzheimers/

https://www.healthline.com/health/dementia-sundowning

Alzheimer's Association

 


 

Artigo sobre como visitar uma pessoa com demência neste link https://www.cuidador.pt/blogue/276-como-visitar-uma-pessoa-com-demencia

Artigo sobre a importância do ambiente na demência neste link https://www.cuidador.pt/blogue/140-a-importancia-do-ambiente-na-demencia

Log in or Sign up