Log in

 

 

A alimentação na fase intermédia da demência

  • blogue
  • Visualizações: 3622

 

27 “dicas” sobre a refeição de familiares com demência:

 

·       Não apresse a refeição;

·       Sirva os pratos por ordem, e um a um;

·       Proporcione só os talheres que vão ser utilizados em cada momento;

·       Sente-se á mesa de frente do familiar, e se for necessário utilize linguagem gestual para que ele o imite e leve a comida á boca;

·       Dê sempre indicações verbais e gestuais sobre o que deve ser feito em cada momento;

·       Dê uma pequena refeição (não energética) à noite ao deitar, para evitar a diminuição do nível de “açúcar” (glicemia) no sangue (hipoglicemia noturna);

·       Coloque uma toalha de mesa branca e os pratos de uma cor contrastante para despertar a atenção;

·       Não coloque nada em cima da mesa que não seja necessário e que possa provocar distração;

·       Ajude o seu familiar a sentar-se com a cabeça e o pescoço em posição vertical e os braços e os pés bem apoiados;

·       Mantenha as rotinas: o mesmo local à mesa e a mesma hora da refeição;

·       Evite que o local da refeição tenha ruídos (televisão ligada, etc.) e agitação (movimento de pessoas);

·       Em caso de falta de apetite, fale com o médico para verificar se a medicação está a interferir com a vontade de comer. O cuidador deve certificar se o familiar tem dores na boca, a dentadura mal colocada, ou se engasga com facilidade;

·       Sirva as refeições com boa apresentação, coloridas, e com ervas aromáticas que estimulem o paladar; como com o envelhecimento acontece naturalmente a alteração do paladar e do olfato, tempere a comida com ervas aromáticas. Esta pode ser também uma estratégia para diminuir a quantidade de sal às refeições;

·       Utilize caso seja necessário toalhas de mesa antiderrapantes e louça com alças;

·       Utilize o azeite quer para cozinhar quer para fazer molhos. O azeite é rico em ácidos gordos monoinsaturados, possui vitaminas A, D, E e K, tem um elevado poder antioxidante (atrasa o envelhecimento celular) e tem um efeito protetor comprovado contra os cancros da mama e do intestino. A vitamina E estimula as defesas do sistema imunológico. É, no entanto, preciso ter em atenção que como qualquer gordura, 1 grama de azeite possui 9 calorias;

·       Quando fizer molhos, misture com iogurte natural de modo a fornecer cálcio, mineral importante para a saúde dos ossos;

·       Coza os legumes em pouca água e aproveite o líquido da cozedura que possui vitaminas e eletrólitos;

·       Sempre que possível opte por formas de confecionar como cozidos, grelhados, assados, caldeiradas e empadões;

·       Sirva as refeições desde sempre preferidas pelo familiar, mas tenha em atenção que o gosto pela comida também pode mudar durante a evolução da demência;

·       Sirva sempre que for possível refeições que propiciem a mastigação. A consistência dos alimentos e a mastigação é um estimulante da actividade do hipocampo, região do cérebro importante para as funções de memória e aprendizagem. (Kravchenko, 2008);

·       Sirva as refeições com a consistência adequada (nem muito líquido nem muito sólido) para facilitar a deglutição.

·       Verifique a temperatura e a consistência dos alimentos; com o evoluir da demência, o familiar vai perdendo a capacidade de comunicar (verbalmente) qualquer desconforto ou dor que sinta;

·       Inclua sempre que possível alguns alimentos ácidos às refeições. Com a idade pode acontecer uma diminuição natural da produção de saliva que pode ser agravada com a toma de medicamentos. Tal como o paladar e a temperatura adequada, os sabores ácidos estimulam a deglutição porque aumentam a produção de saliva;

·       Tenha em atenção a quantidade de calorias ingeridas às refeições. A obesidade, especialmente a gordura abdominal é um indicador de diabetes ou pré-diabetes, colesterol elevado, dificuldades respiratórias, risco de doença cardiovascular e sobrecarga das articulações dos joelhos;

·       O iogurte natural e o queijo são uma excelente alternativa ao leite. Com o envelhecimento pode surgir a dificuldade de digestão da lactose (açúcar do leite) porque a lactose precisa da enzima lactase (produzida no intestino delgado) para ser decomposta e a a produção da enzima lactase diminui. Com a fermentação do queijo ou do iogurte essa situação deixa de existir. Outra razão que justifica a preferência do iogurte natural ou do queijo relativamente ao leite é o facto de a enzima lactase também participar na separação do cálcio da lactose e da caseína do leite, o que resulta numa absorção mais eficaz do cálcio. O queijo e o iogurte natural também são ricos em proteína completa. A proteína é o “tijolo” dos tecidos em geral e dos músculos em particular. Além das funções estruturais dos tecidos orgânicos, a proteína tem funções enzimáticas, hormonais, de transporte, e de defesa do organismo (imunoproteínas);

 

·       Inclua o ovo na dieta. A clara do ovo é rica em proteína (albumina) que entra na composição muscular e a gema em nutrientes. A gema de ovo também tem valor calórico, o que é importante em doenças com grande consumo de energia, como por exemplo na doença de alzheimer quando existe deambulação. A gema também possui colesterol, pelo que as pessoas com diabetes ou colesterol elevado devem pedir informação personalizada médica.

 

 

Log in or Sign up