Log in

 

 

ESTRATÉGIAS PARA O CUIDADOR LIDAR COM COMPORTAMENTOS DESAJUSTADOS

  • blogue
  • Visualizações: 2197

 

RESISTÊNCIAS A MUDANÇAS: fale com o seu familiar sobre as mudanças que devem ser feitas antes de elas ocorrerem. Valorize as suas vantagens de modo a diminuir a resistência e facilitar progressivamente o processo de adaptação.

AGRESSIVIDADE: mantenha a calma perante um comportamento agressivo, procure o contacto visual, utilize um tom de voz suave, distraia a pessoa e informe-a previamente do que vai fazer a seguir.

 

EXIGÊNCIAS EXCESSIVAS: fazer as coisas pela pessoa quando esta pode fazê-las cria ou aumenta a dependência e diminui as capacidades do sénior. Quando a pessoa cuidada procura - excessivamente - chamar ou monopolizar a atenção há que pôr limites e actuar de modo firme.

AGITAÇÃO: a forma de raciocinar e agir do cuidador perante a agitação da pessoa cuidada pode contribuir para que ela aumente, reduza ou seja mesmo eliminada. É recomendável transmitir calma, procurar o contacto visual, manter o tom de voz suave e distrair a pessoa desviando a sua atenção para algo agradável e com significado.

INSÓNIA: para prevenir e controlar problemas de sono durante a noite, estimule a realização de actividades relaxantes antes da hora de dormir, cumpra o horário da refeição, evite servir comida pesada ao jantar, mantenha o quarto de dormir silencioso e com uma temperatura adequada, evite que o seu familiar durma durante o dia. Caso seja necessária uma luz de presença no quarto de dormir, instale uma lâmpada de côr quente e de fraca intensidade para não interferir com a produção da hormona do sono melatonina.

DEAMBULAÇÃO CONTÍNUA: o ambiente domiciliário deve ser seguro e organizado. Em caso de demência na fase mais avançada é de evitar mudanças de domicílio, viagens, e a presença de visitas não deve alterar as rotinas do familiar doente. É recomendável que a pessoa traga sempre um cartão de identificação com contactos e descrição da doença para facilitar a sua localização no caso de se perder.

DESCONFIANÇA: Um dos sintomas da doença de Alzheimer é a ideia de que se está a ser roubado devido à perda de memória e esquecimento dos sítios onde se deixam os objectos pessoais. Discutir e confrontar com a realidade não ajuda nada. Aceite que o doente tem o direito a estar zangado. Passe a ideia que o ambiente é seguro e que ninguém está a tentar tirar ou estragar os seus pertences.

NÃO RECONHECER OS FAMILIARES: é uma das situações que provoca mais sofrimento. É importante utilizar estímulos sensoriais (sons, odores, contacto físico) relacionados com experiências emocionais do passado. Uma mãe pode não se recordar da cara de uma filha, mas lembrar-se da sua voz, da forma como esta lhe toca, do seu perfume, etc.. As memórias emocionais perduram na demência porque a área onde é armazenada essa informação não é afectada da mesma forma.

 

IDEIAS DELIRANTES: tente perceber a origem dos delírios para lhes dar um significado e assim tratar de prevenir a sua aparição. Tenha uma atitude compreensiva e mantenha a calma (contacto físico, voz suave …). Não discuta e tente mudar de tema e de divisão da casa. Durante a noite evite que a iluminação da casa provoque sombras.

 

Log in or Sign up